Brasil deixa oficialmente a Unasul

Bloco será substituído pelo Prosul. O processo de saída deve durar seis meses.

O Ministério das Relações Exteriores anunciou ter formalizado a saída da União das Nações Sul-Americanas (Unasul). A decisão foi comunicada pouco depois de a Bolívia informar que estava repassando ao Brasil a presidência temporária do bloco.

“O governo brasileiro denunciou, no dia de hoje, o Tratado Constitutivo da União de Nações Sul-Americanas, formalizando sua saída da organização. A decisão foi comunicada oficialmente ao governo do Equador, país depositário do acordo, e surtirá efeitos transcorridos seis meses a conta da data de hoje”, anunciou o MRE ontem (15).

O comunicado do Itamaraty também citou que o Brasil assinou, em 22 de março, um documento no qual mostrou a intenção de constituir o Fórum para o Progresso da América do Sul (Prosul), em substituição à Unasul. Também se comprometeram com o novo fórum de desenvolvimento e integração regional Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai e Peru.

Os primeiros países que formalizaram a saída da Unasul foram Colômbia e Peru. Equador, Argentina e Paraguai  seguiram os passos dos vizinhos pouco depois. Os únicos membros ainda ativos são Uruguai, Guiana, Bolívia, Suriname e Venezuela (dominados por regimes ligados ao Foro de São Paulo).

A Unasul foi criada em 2008 como um projeto do então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, num período em que a maioria dos países sul-americanos era governada por partidos ligados ao Foro de São Paulo. Entre os líderes que participaram da fundação estavam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a argentina Christina Kirchner e a chilena Michelle Bachelet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *